Se você já acompanha a Collectgram há algum tempo já percebeu que sempre publicamos artigos técnicos, com uma linguagem mais séria e focada em trazer o máximo de informações e conhecimento sobre áreas do colecionismo.

Mas já tem um tempo que quero uma seção no blog onde possamos falar mais abertamente, de forma mais direta e natural, deixando um pouco de lado a rigidez que os artigos técnicos demandam.

A ideia é de um local onde sejam expressadas nossas opiniões — não sobre política, religião ou futebol, afinal, isso não se discute aqui — mas sobre o colecionismo em geral e onde possamos contar histórias, novidades ou coisas que acontecem aqui na Collectgram.

Pensando no que seria um primeiro artigo para essa seção, decidi que iria contar como tudo começou.

Então, quero te convidar a conhecer um pouco do início da nossa história e de como vários acontecimentos e tentativas de criar algo para colecionadores culminaram no Collectgram que você conhece hoje.

Se você não quer saber disso, clique aqui e veja alguns artigos sobre numismática que podem te interessar, ou clique aqui caso seu interesse seja selos.

Se quer continuar, prepare-se, a partir de agora, você irá ler um texto que, ao ser escrito, trouxe não só velhas lembranças e sentimentos de gratidão, de decepções e principalmente uma grande motivação para fazer um Collectgram ainda melhor para você.

O início de tudo: MoedasGYN

A base da Collectgram começou há muitos anos: pelo menos como desejo do meu coração foi em 2002, quando eu já era ajuntador/colecionador de moedas e cadastrava todas em uma planilha de Excel.

Sim, é verdade que eu comecei a colecionar quando ainda era criança, a primeira moeda da coleção eu encontrei bem antes, era 1991 e ela estava enterrada, apareceu enquanto eu brincava com carrinhos no quintal do meu avô. Foi exatamente a moeda abaixo:

1000 réis de 1924 - Primeira moeda da coleção de Plínio Pierry

E sim, eu limpei essa moeda várias vezes na infância, esfreguei esponja de aço, bucha, deixei no vinagre com limão, passei graxa para sapato, enfim, tudo que um colecionador mirim sem orientação poderia fazer.

Voltando a 2002, enquanto eu organizava algumas moedas repetidas, sentindo aquela solidão de colecionador — principalmente naquela época em que não haviam tantos meios de comunicação como hoje — pensei em como seria bom ter um "site" onde colecionadores pudessem trocar ideias e comprar/vender moedas repetidas de suas coleções.

Isso foi 2 anos antes do surgimento do Orkut e do Facebook, na época a gente usava mIRC, MSN e ICQ. Mercado Livre e eBay já existiam, mas não haviam tantos sites específicos para coleções, era o verdadeiro "Oceano Azul".

Eu estava terminando o ensino médio, já era viciado em computador/internet e não deu outra: em 2003 ingressei no curso de Engenharia da Computação da então Universidade Católica de Goiás (hoje PUC-Goiás), obstinado a criar esse "site para colecionadores" (só não me falaram que o melhor era ter feito Ciências da Computação...).

Durante o curso, de tanto falar para os colegas que eu estava ali para fazer esse "site para colecionadores", o Renan, um amigo meu, resolveu me ajudar a tirar esse sonho do papel e surgiu a primeira versão de algo que hoje está se tornando realidade na Collectgram.

Nós criamos o MoedasGYN! O site foi ao ar em 22/01/2007 e no dia 06/02/2007 às 19:43 fizemos a primeira venda para o cliente Lucirlando.

Infelizmente não encontrei print de como era o MoedasGYN, mas graças ao WayBackMachine  você pode ver o esqueleto do site que funcionou naquela época, basta clicar aqui.

O MoedasGyn era basicamente uma listagem de produtos que quando a pessoa clicava no botão "Comprar" me enviava um e-mail com o nome da pessoa e o código do pedido.

Eu tinha que acessar uma área administrativa para ver quem era o comprador e o que tinha comprado. O pagamento era via depósito na conta corrente do meu pai e haviam vários vendedores (brincadeira, era só eu!).

Os produtos foram "cedidos" pelo amigo Hélio Xavier da Xavier Coleções que confiou em mim de primeira quando do nada eu cheguei em sua loja aqui em Goiânia e disse: "estou criando um site para venda de produtos para colecionadores e preciso de produtos, você confia em deixar alguns produtos comigo para eu vender?".

Eu levava as moedas para a faculdade e usava o scanner da sala de projetos para pessoas com necessidades especiais da Universidade para digitalizar os produtos que iriam para o site.

Ao Renan, ao Xavier e aos clientes que compraram no MoedasGYN serei eternamente grato pela confiança e por terem acreditado em nós.

O fim do MoedasGYN

Naquela época eu era "empreendedor" sem saber qualquer coisa sobre negócios, nem sobre burocracia empresarial, desenvolvimento de produto, desenvolvimento de software (eu nunca fui bom em programação), marketing, vendas, SEO (nem sei como as pessoas nos achavam).

Meu cenário era o seguinte: eu tinha alguns produtos cadastrados em um site simples e as demandas da graduação aumentavam, além do meu estágio no Governo ter virado um cargo comissionado ligado ao gabinete do Governador.

Aos poucos, conforme eu assumia mais responsabilidades na Universidade e no Governo, o MoedasGYN era deixado de lado sem atualização de funcionalidades e de produtos, praticamente abandonado.

Eu não tive maturidade para lidar com tudo que acontecia naquela época e deixei o brilho do poder que o cargo público me dava sufocar minha chama empreendedora. Uma das coisas que mais me arrependo na minha vida foi não ter focado nisso, no que me fazia feliz.

Sem marketing, sem SEO, sem meio de pagamento, sem blog, só com uma listagem de produtos fizemos 12 vendas de fevereiro de 2007 a outubro de 2008. É um resultado baixo, eu sei, mas eu não sabia o mínimo necessário nem para isso.

Como se fosse para me dar aquele soco na cara, aquele "acorda" da vida, alguém encontrou o MoedasGYN em 25 de março de 2011 e fez uma compra (veja imagem abaixo nas vendas realizadas).

E-mails de pedidos do MoedasGYN

Eu vi aquilo e interpretei da pior maneira possível: "Sério, 3 anos depois do último pedido ainda tem gente encontrando o MoedasGYN? Vou encerrar isso!". Apaguei o site, deixei o domínio sem nada publicado para vencer.

Por ironia do destino, um mês depois fui exonerado do meu cargo no Governo. No outro mês eu comecei minha carreira na iniciativa privada com o um sonho empreendedor sepultado.

Segunda tentativa: Colletage

Dois anos depois, em 2013, eu já estava mais em contato com o ambiente empresarial que a iniciativa privada me proporcionara. Eu trabalhava em uma empresa como Gerente de Contas Governo (uma forma chique para "vendas para o serviço público"). Sim, ainda com um pezinho no serviço público.

As conversas com empreendedores, as reuniões de planejamento e negócios, tudo aquilo gerou em mim aquele desejo novamente de criar uma plataforma para colecionadores.

Desenhei telas, fiz pesquisas, conversei com pessoas, estruturei tudo o que seria chamado de "Colletage" (Vintage Collections).

O Massahide, meu atual sócio e o Denis, um outro grande amigo, me ajudaram nessa época: planejamos juntos, pensamos juntos, mas apesar da insistência do Denis em eu "ter foco" para fazer o Projeto acontecer, não saiu do papel.

Eu recebi uma proposta para trabalhar como Coordenador de Processos em uma grande empresa de produção agrícola, depois fui empreender em um outro ramo e mais tarde fui gerenciar produto e depois marketing na NectarCRM, empresa de alguns amigos meus.

Agradeço ao Denis e ao Massahide por terem acreditado naquela época, vocês foram ótimos, sou o responsável por não termos colocado em prática o que planejamos.

Enfim, novamente meu foco não estava no meu sonho, naquilo que me fazia feliz e o Colletage nunca saiu do papel.

A última tentativa: ou vai, ou vai!!!

Agora já era 2017, eu estava como Diretor de Marketing na NectarCRM. É uma empresa empresa que desenvolve solução de CRM (Customer Relationship Management) e os diretores eram meus amigos.

Eu já havia passado por experiências de gestão de equipe de TI e de egos dos políticos no setor público. Na iniciativa privada atuei com gestão de vendas, de processos de negócios, de desenvolvimento e qualidade de software, dia-a-dia de empreendedor e agora estava como Diretor de marketing.

Comecei então a entrar na famosa "zona de conforto". Aquele ciclo, sabe? As pessoas eram amigas, o time era incrível, o salário era bom, eu tinha uma boa experiência e conseguia lidar com as demandas, tinha liberdade para fazer as coisas, mas... pouca realização pessoal.

Eu queria realizar meu sonho, meu projeto, meu propósito de vida, silenciar aquela voz que dizia: "faz isso acontecer, isso pode mudar a forma de colecionar no mundo todo...". Os empreendedores vão entender o que é essa inquietude.

Aprendi muito na NectarCRM, sou grato pela oportunidade, pelas amizades, pelo time que esteve comigo, pelos conselhos e apoio que Fabiano, Pedro e João me deram durante os 4 anos e 3 meses que estive lá, enfim, nunca vou me esquecer deles.

Resolvi então que iria fazer a última tentativa de realizar meu sonho primordial. Digo "última" porque é só essa: com outros três sócios do tipo "dream team", desembarcamos no mundo do colecionismo e queimamos o navio, para não sermos tentados para voltar a navegar com destino a outros mundos! Agora vai, ou vai!

Queimamos os navios, não tem volta, agora é avançar e fazer o Collectgram acontecer!

Foi aí que surgiu a Collectgram (Grand Collections), uma ecossistema de soluções para ajudar você ter grandes coleções!

O time e o propósito

Dessa vez, o time de fundadores foi montado de uma forma inusitada: além do Massahide, que eu já conhecia desde a universidade e que me ajudou na Colletage, o Victor é amigo do meu cunhado e o Maurício é amigo do Victor.

Por quase 2 anos, Victor e Maurício eram meus sócios na Collectgram e eu nunca os havia encontrado pessoalmente, porque moravam em Portugal. Foi sinergia de trabalho e confiança mútua a primeira vista!

Além deles, os fundadores, temos um time de pessoas que nos apoiam diretamente: o Júnior Moura nosso investidor, o André Abekawa e o Marco Filho, nossos mestres do código. Indiretamente nós temos VOCÊ e todos os colecionadores que usam o Collectgram.

Juntos nós caminhamos para realizar um propósito:

Revolucionar a forma de colecionar, ajudando pessoas a preservar a arte, história e cultura dos povos ao redor do mundo através do colecionismo.

Se você quer conhecer um pouco mais sobre nosso propósito, leia esse artigo:

Collectgram: nosso propósito
Você tem um propósito? A Collectgram tem um propósito e queremos compartilhar com você nesse post. Venha conhecer!

Todos os dias vivemos o colecionismo e trabalhamos pela Collectgram para que ela seja um lugar onde você colecionador possa:

  1. ENCONTRAR informações sobre itens colecionáveis;
  2. APRENDER mais sobre os itens de suas coleções;
  3. ORGANIZAR e mostrar suas coleções para o mundo;
  4. CONECTAR com outros colecionadores para troca de conhecimento e experiências; e
  5. NEGOCIAR itens que faltam em suas coleções.

Temos conseguido alcançar os objetivos e esse é nosso caminho até agora:

  • Em outubro de 2017 lançamos o blog da Collectgram;
  • Em fevereiro de 2018 estava online o aplicativo para iOS;
  • Em junho de 2018 fiquei 100% focado e por conta da Collectgram;
  • Em outubro de 2018 o catálogo de moedas na web;
  • Em janeiro de 2019 estavam online novos aplicativos para iOS e Android;
  • Em abril de 2020 lançamos o Marketplace na Web;
  • Em junho de 2020 lançamos o Collect Prime.

Ainda tem muita coisa boa pela frente, mas é importante para nós que você saiba nossa história, porque dessa forma, vamos caminhar juntos por mais tempo!

Fique à vontade para entrar em contato comigo pelo e-mail, deixando sua opinião e sugestão do que podemos fazer para você colecionar melhor: plinio@collectgram.com