Neste artigo você irá conhecer os perigos do PVC para sua coleção de cédulas, moedas e selos, além de entender de uma vez por todas a importância de investir em acessórios de qualidade para armazenar suas peças.

Sobre os tipos de materiais das folhas plásticas

Selos e Cédulas são ambos feitos geralmente em papel. Logo, o que vale pra um, também vale para o outro, bem como para qualquer material colecionável feito em papel, tal como apólices, documentos antigos, etc.

Leuchtturm, assim como outras marcas de primeiríssima linha que produzem álbuns e acessórios para filatelistas e numismatas, tais como Lindner, Hawid, Prinz, SAFE, Importa, Yvert et Tellier, Stanley Gibbons, KABE, Scott, etc, utilizam uma espécie de plástico denominado POLIÉSTER (PET), também chamado pelos nomes fantasia de "Mylar" ou "Rhodhoid", dependendo do país.

Folha Leuchtturm para moedas

Esse tipo de plástico foi desenvolvido especialmente a pedido de museus de arte, para acondicionar documentos valiosos/históricos sem que o tempo as deteriore. Algumas dos fabricantes supracitados também utilizam o POLIPROPILENO (PP), que tem qualidade semelhante.

Tanto a PET quanto a PP são totalmente inertes, não se alteram com o tempo. Não mudam de cor, não começam a rachar ou "craquelar", não liberam ácidos, não vão ressecar. E por isso mesmo, custa caro.

Marcas mais "populares", de origem nacional, chinesa ou de origem duvidosa, etc., utilizam materiais inferiores, e por isso custam bem menos.

No geral, utilizam um plástico denominado POLICLORETO DE VINILA (PVC), repleto de aditivos químicos que o tornam o plástico mais flexível (mais mole) que o PET e o PP descritos acima.

Álbuns em PVC, geralmente, custam até 80% menos que um material de boa qualidade.

De todos os tipos de plástico, esse é o pior plástico possível pra se armazenar cédulas, selos e moedas ou qualquer objeto de coleção, pois não é inerte.

O efeito do PVC nos selos e cédulas

A lenta degradação natural da celulose dos papéis de selos e cédulas, os vapores das tintas neles impressas, os metais das moedas, todos interagem quimicamente com o PVC, que passa a liberar ÁCIDO CLORÍDRICO (HCl), o mesmo ácido que temos no estômago pra digerir alimentos.

Nem preciso dizer que isso é sinônimo de desastre à vista, porque o HCl é extremamente ácido.

Molécula do ácido clorídrico (HCl)

O H+ em contato com a peça de coleção, mais o O2 (oxigênio) mais o CO2 (Gás Carbônico, encontrado em abundância na atmosfera, e mais ainda no ar de cidades poluídas) vai causar o amarelamento das fibras de celulose nos papéis, e o famoso "verdete" nos metais.

É fácil verificar o processo, e é rápido, com poucos dias de armazenamento já é possível averiguar que todo o design da moeda já começa a ficar como que "impresso" no plástico, com uma camada branca.

Pra piorar, o Cl- em contato com umidade atmosférica forma ácido hipocloroso HClO, e daí pode sair de tudo, até mesmo ácido clórico HClO3.

Ou seja, estamos atacando a peça de coleção com Di-Hidróxi-carbonato de Cobre-II (nas moedas com cobre na liga), como também com os ácidos clorídrico, hipocloroso e clórico.

Isso em papéis causa o amarelamento e ressecamento das fibras de celulose, tornando o selo ou cédula quebradiço, até esfarelar por completo com o tempo.

A tinta impressa no selo/cédula também começa a desbotar fortemente. As folhas de PVC dos álbuns se tornam amareladas, grudentas, ressecadas e quebradiças.

Por desconhecimento ou má-fé, alguns vendedores tentam empurrar cédulas manchadas com o eufemismo de "manchinhas do tempo". São danos causados por PVC, em sua maioria, e tais peças não devem entrar em coleções sérias.

O problema é tão grave, que as empresas de classificação de moedas não aceitam peças que contenham até mesmo os menores vestígios de danos causados por PVC (veja mais detalhes nos tópicos abaixo), e quanto os selos contaminados por PVC, por estarem desbotados e com papel quebradiço, desvalorizam no mínimo 90% para o caso de selos caros. Os baratos e comuns, vão direto ao lixo.

O efeito do PVC nas moedas

Já nas moedas, os danos causados pelo PVC se apresentam como uma gosma verde, cinza ou leitosa, e às vezes se apresenta nas peças como manchas.

As moedas de Cobre são as mais suscetíveis aos efeitos ácidos do PVC, seguidas das de Prata, Ouro e Platina. Se eram flor de cunho, o prejuízo será grande, pois as peças estarão arruinadas para sempre.

Danos do PVC em uma moeda que era Flor de Cunho

Há um detalhe importante: Uma vez que uma moeda danificada por PVC entra em uma coleção, o resíduo de PVC daquela única moeda pode se espalhar para as demais, como um vírus.

Por isto, é fundamental evitar adquirir moedas com danos de PVC, facilmente identificadas pelas manchas esverdeadas ou cinzentas ou algo parecido com um "pó branco".

Moedas com superfícies limpas ou polidas, também devem ser evitadas, pois talvez tenham sido esfregadas justamente para remover resíduos de PVC.

Esta, aliás, é a razão principal pela qual as moedas limpas ou polidas deixaram de ser bem vindas na numismática mundial, exceto em determinadas casas numismáticas antigas instaladas no Brasil.

Pelo mesmo motivo, os numismatas devem eliminar de suas coleções quaisquer moedas que exibam sintomas de contaminação.

Eliminando danos do PVC das moedas

Alguns resíduos de danos iniciais causados por PVC podem ser eliminados das moedas lavando-as com acetona 100% pura por cerca de 30 segundos, porém os efeitos deletérios do PVC são irreversíveis. Para papéis (selos e cédulas) não há remédio, a não ser o lixo.

Atenção: não é aquela acetona de retirar esmalte de unhas, é acetona 100% PURA

Caso a moeda acometida pelo PVC seja comum, uma recomendação é limpar com acetona 100% e doar para alguma criança se iniciar na numismática.

Custo benefício

"Leuchtturm ou outras marcas de qualidade são muito caras".

Depende do que você vai por dentro dos álbuns.

São moedas circuladas, baratinhas, comuns, que se compram nas "bacias das almas" das feiras numismáticas, vendidas ao quilo? Ou são moedas flor de cunho, caríssimas? São cédulas ou selos comuns, ou são cédulas e selos flor de estampa, mint, de maior valor?

Se suas peças valem muito mais que o álbum, então não é caro.

Uma forma de "economizar" é utilizando envelopes para as moedas, de preferência feitos com papel acid-free, com envoltório em papel vegetal, igualmente acid-free, seguindo o "Método Bulgarelli".

Este método, porém, tem a desvantagem de ser necessário desembrulhar cada peça para visualizar a coleção.

Mas o melhor conselho continua sendo seguir as instruções dos especialistas e das autoridades no assunto, não os conselhos de pseudo-autoridades encontradas nos canais de Youtube.

Se você quer conhecer um pouco mais sobre este assunto, especificamente na área da filatelia, aqui há um artigo específico (em inglês) com o título "Selos e Plásticos" com suas devidas interações químicas explicadas em detalhe, criado por Roger Rhoads, do comité de preservação e cuidados de materiais filatélicos da American Philatelic Society, dos EUA.

Você pode clicar aqui para acessar o material (em inglês) hospedado pela Collectgram.

Sobre folhas de acetato

Uma dúvida que surge é com relação as folhas de acetato, se são boas ou ruins.

No geral, a recomendação é que se as folhas são moles e tem cheiro de plástico, então são folhas ruins.

As folhas boas NÃO TEM CHEIRO, são rígidas e custam mais caro, claro, pois é material arquivístico.

Quanto ao acetato, se for tri-acetato é bom, se for di-acetato, é péssimo. Mas é muito difícil saber qual é qual. As folhas com origem chinesa são quase sempre di-acetato, portanto, na dúvida, EVITE folhas de acetato.

O PVC e as certificadoras de moedas

As certificadoras de moedas são bem rígidas quanto a moedas com vestígios de PVC. Para se ter uma noção de quanto consideram esse assunto grave, elas nem sequer põem as moedas em slabs.

Para fins de comparação, se você esfregar uma moeda qualquer no asfalto, até detoná-la e apagar mais da metade do design, ainda assim ela seria graduada, certificada e posta num slab.

Mas, se a moeda for enviada com dano de PVC, é devolvida sem slab. Para piorar, conforme dito mais acima no artigo, se a gosma de PVC não for limpa com acetona, a mesma irá se espalhar pras outras moedas da coleção que estiverem por perto, pois essa gosma emite gases sulfurosos (com ENXOFRE, O MAIOR INIMIGO DAS MOEDAS).

Mencionei mais acima no artigo que é justamente devido aos danos causados por PVC que as moedas com sinais de limpeza deixaram de ser bem vindas na numismática mundial.

Veja o quanto isso é grave, pois ao folhearmos antigos catálogos e manuais de numismática, há seções inteiras dedicadas a como limpar moedas, e receitas de limpeza e polimento para cada metal.

Portanto, não sobraram muitas peças que foram deixadas realmente quietas, sem manuseio ou limpeza. Por isso, a cotação de peças realmente flor de cunho tende a subir muito em comparação com uma peça "soberba".

Bônus: sobre medalheiros

Antigamente, os numismatas mais abastados costumavam mandar confeccionar móveis moedeiros em madeira de lei para armazenar as peças. É outro erro que cometeram.

Exemplo de medalheiro utilizado para guarda de moedas

Esses moedeiros são lindíssimos e luxuosos, mas a madeira emite gases com o passar do tempo.

Especialmente falando a madeira possui a lignina, uma macromolécula tridimensional amorfa encontrada nas plantas terrestres, associada à celulose na parede celular cuja função é de conferir rigidez, impermeabilidade e resistência a ataques microbiológicos e mecânicos aos tecidos vegetais.

Em outras palavras, a lignina é uma substância orgânica que impregna as células, as fibras e os vasos do vegetal, tornando-os impermeáveis e inextensíveis. Então, conforme a lignina se decompõe, ela impregna e mancha as moedas de metais preciosos e corrói as de metais espúrios/comuns.

Muitas moedas anunciadas como tendo "pátina de moedeiro", na verdade não tem pátina, e sim manchas causadas por gases contendo enxofre que são danosos às peças.

Mesmo madeiras boas, como o mogno são ruins para armazenar objetos de metal. E se forem madeiras resinosas, como Ipê, Peroba, Pinus, Eucalipto, é ainda pior.

E para piorar ainda mais, forravam as gavetas dos medalheiros com veludo, que apesar de ser suave ao toque das mãos, é uma LIXA, um BOMBRIL ENFERRUJADO para numismas.

Basta observar as centenas de gravuras e riscos sobre a superfície das moedas que ficaram diretamente sobre o veludo, dando a impressão de que pequenos vermes escavaram a superfície da numisma.

Os bons móveis moedeiros modernos são feitos em alumínio e suas gavetas em acrílico, que são materiais inertes e estáveis quimicamente.

E antes de pensar que estou fazendo propaganda gratuita da Leuchtturm e seus medalheiros de alumínio e acrílico, recomendo a leitura do artigo científico "The Museum Environment and its Effect on Coins: Storage and Display Materials: Problems and Solutions at The Numismatic Museum of Athens" sobre o assunto (em inglês).

Espero que este texto o faça repensar o armazenamento de sua coleção.